Sobre o EgyptAir


Caixa-preta de avião da EgyptAir confirma fumaça no voo. Especialistas trabalham com a hipótese de explosão

Peritos egípcios confirmaram nesta quarta-feira, dia 29, que dados extraídos de uma das caixas-pretas do avião da Egyptair que caiu no Mar Mediterrâneo em maio demonstram a existência de fumaça a bordo.    

Segundo os especialistas, é observada uma "compatibilidade" com mensagens de alarme automáticas que informam existência de fumaça dentro do avião. Além disso, foram encontrados "sinais" de danos provavelmente causados por "altas temperaturas" nas ferragens recuperadas.  

As causas da queda ainda são desconhecidas, já que não houve nenhum pedido de ajuda da tripulação. Mas, especialistas apontam a hipótese de explosão como a mais provável. Histórico - O voo 804 da EgyptAir caiu no Mar Mediterrâneo no dia 19 de maio com 66 pessoas a bordo enquanto fazia o percurso entre Paris, na França, e Cairo, no Egito.

Agencia ANSA via JB

Franceses conseguem reparar caixa-preta de avião da Egyptair

A comissão francesa de investigação do acidente com o avião da Egyptair, que caiu no mês de maio no Mar Mediterrâneo, conseguiu reparar o sistema eletrônico da caixa-preta que contém dados do voo, informou o Ministério de Aviação do Egito.

O reparo aconteceu nos laboratórios da comissão francesa, onde foram realizados diferentes testes para verificar se dos dados do avião estavam na caixa-preta. Segundo um comunicado, nesta terça-feira começará o processo de reparação do sistema eletrônico da caixa-preta da cabine da aeronave, onde se espera encontrar gravações das conversas dos pilotos.

Em seguida, será transferida para o Cairo para realizar análise de dados no Departamento Central para Acidentes Aéreos no Ministério de Aviação Civil do Egito. A expectativa é que as análises ajudem a esclarecer as causas do acidente.

O avião, um Airbus 320 que fazia o voo Paris-Cairo, desapareceu dos radares no dia 19 de maio, após entrar no espaço aéreo egípcio pouco mais de um quilômetro, e caiu nas águas do Mediterrâneo.

EFE via Terra